- 16/02/2012 08h24

Logo Malu

Matéria disponível em: http://papofeminino.uol.com.br/mulher/saude-e-bem-estar/lupus-conheca-os-principais-sintomas-da-doenca/

Lupus: conheça os principais sintomas da doença

Especialista explica os tipos de tratamento para a doença autoimune

Isabela Zamboni

Lupus: conheça os principais sintomas da doença

Foto: Francisco Cepeda/AgNews

Astrid Fontenelle foi diagnosticada com uma doença autoimune chamada Lupus. O tratamento dura quatro meses e aos poucos a jornalista está voltando à sua rotina de trabalho. A cantora Lady Gaga também foi diagnosticada com a mesma doença, mas revelou que não apresenta nenhum sintoma. Afinal, o que é Lupus? Como ela reage no organismo e quais são os tipos de tratamento? A reumatologista Amanda Marques, do Hospital São Vicente de Paulo (RJ), explica sobre essa doença que atinge mais de cinco milhões de pessoas no mundo:

O que é Lupus?

Segundo a médica, o Lupus Eritematoso Sistêmico é uma doença crônica, autoimune, em que os anticorpos produzidos pelas células de defesa que combatem infecções passam a atacar as próprias células do indivíduo. Em resumo: nosso organismo deixa de reconhecer algumas estruturas como parte de nosso corpo e passa a atacá-las. “A doença é caracterizada por períodos sintomáticos e assintomáticos. Portanto, os sintomas da doença podem ser variados, comprometendo apenas a pele ou os órgãos internos, sendo as duas formas principais de apresentação”, afirma a reumatologista. A pele pode ficar com manchas avermelhadas em áreas expostas ao sol, principalmente nas maçãs do rosto e no dorso do nariz. Já nos órgãos internos pode ocorrer a inflamação das membranas que revestem as articulações e tendões. “Nesse caso, causam artrite (inchaço, calor e dor nas juntas) e tendinite; inflamação das membranas do coração e do pulmão; inflamação dos rins, resultando em nefrite que pode se manifestar com urina espumosa, inchaço das pernas, pressão alta e perda da função do rim. Pode também existir a presença de anticorpos contra elementos do sangue (provocando anemia, queda dos glóbulos brancos ou de plaquetas) e até mesmo contra nervos e cérebro (formas mais raras)”, explica Amanda Marques.

Tratamento adequado

O tratamento é individualizado, já que existem casos diferentes de manifestação da doença. “Basicamente, são usadas medicações (como antiinflamatórios) que visam combater o descontrole do sistema imunológico provocado pela doença. A indicação de cada remédio se dá de acordo com o comprometimento apresentado pelo paciente, sendo às vezes necessário o uso de corticóides em altas doses e de imunossupressores para controlar a doença. Todas necessitam de acompanhamento contínuo pelo médico reumatologista. Dependendo da gravidade da doença, esse acompanhamento pode ser feito a cada três ou seis meses, como também pode ser necessário o acompanhamento semanal ou mesmo internação hospitalar (na minoria dos casos)”, revela a médica.

Primeiros sintomas

Os primeiros sinais de que o indivíduo possa estar com a doença é quando apresenta sintomas como cansaço, desânimo, febre baixa, emagrecimento e perda de apetite. As manifestações também podem ocorrer pela inflamação na pele, articulações, rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o coração e pulmão. “Não existe um exame específico capaz de dar o diagnóstico de Lúpus. O diagnóstico deve ser feito através do reconhecimento da apresentação clínica e através de exames laboratoriais”, explica a especialista.

É uma doença rara?

O Lupus se apresenta de várias formas e pode ser uma doença grave quando compromete os rins. Ela também é rara e manifesta-se em pessoas de qualquer faixa etária, sendo mais comum em mulheres. “Estima-se que 1 em cada 1700 mulheres no Brasil tenha a doença”, diz Amanda.

Cuidados necessários

Usar protetor solar, fazer atividade física e evitar o consumo de cigarro são algumas das recomendações médicas para quem deseja uma vida tranquila. “Os portadores da doença devem fazer atividade física aeróbica regular, que melhora a imunidade, a saúde dos ossos (evitando osteoporose) e ajuda no controle da pressão e da glicose. Também devem parar de usar anticoncepcionais com estrogênio, relacionados à piora da doença. É muito importante o uso regular das medicações, mesmo nos períodos em que a doença está inativa e a pessoa está sem sintomas: o uso irregular facilita o descontrole do sistema imunológico. Com o devido acompanhamento, o uso adequado das medicações e mudanças de alguns hábitos o paciente portador de Lúpus pode ter uma boa qualidade de vida”, pontua a reumatologista.

Consultoria: Amanda Marques, reumatologista do Hospital São Vicente de Paulo (RJ).


** Já curtiu o Facebook da Revista Malu?

IMPRIMIR
  • Compartilhar


Os comentários não representam a opinião deste site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

  1. thalita silva disse:

    eu axei muito bom por quer eu tenho lupus e essa dicas sao muitos importante e muito boa eu tenho uma filha era que ela ponde ter lupus sera

* Campos obrigatórios






3 − 3 =